Cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis)

Apresenta tamanho pequeno, coloração verde-clara, com variações entre esbranquiçado e marrom-claro. As fêmeas efetuam a postura em gramíneas. Os adultos movimentam-se com agilidade e são encontrados principalmente em lavouras isoladas, inseridas em regiões com gramíneas nativas e pastagens. Ocorrem em população maior no final do verão e no outono, em milho plantado tardiamente ou safrinha. As ninfas e os adultos extraem seiva das folhas e são vetores de micoplasmas, causadores de enfezamento e do nanismo arbustivo do milho e do vírus do mosaico-de-estrias finas. A saliva tóxica, injetada nas plântulas, pode reduzir a velocidade de crescimento e provocar estrias amareladas nas folhas. Na Argentina, cigarrinhas dos gêneros Delphacodes e Toya transmitem Fijivirus e causam a doença denominada "mal-de-Rio Quarto", com sintomas semelhantes ao do enfezamento.

Produtos Syngenta
para combater este alvo

Culturas Atingidas
por este alvo

  • Milho